27/jul/18Calendário 29/jul/18


Zakynthos - 28/jul/18 (60 fotos)Mais fotos:ÁlbumSlide show

Lua de Sangue na varanda - ZakynthosPouco antes das 22:00 h acordei ontem à noite, meio de susto e por acaso, para assistir de camarote o fenômeno da Lua de Sangue sentado na varanda. Em trinta minutos a sombra da Terra encobriu totalmente a brilhante Lua num espetáculo belíssimo. O céu completamente desanuviado forneceu o pano de fundo perfeito para observar o lento desaparecimento do reflexo lunar nas águas. Às 7:20 h saí correndo para não ter oportunidade de pensar muito na loucura que estava começando a cometer. Após um dia de inatividade queria aproveitar a meteorologia favorável e voltar para o Golfo de Laganas para tentar chegar na extremidade mais longínqua. Para isso teria quLua de Sangue na varanda - Zakynthose passar pelo centro plano e tedioso da área do aeroporto antes de me aproximar da costa. A pressa era provocada não só pelo temor da desistência prematura mas também pela grande distância que, se conseguisse completar como havia planejado, demandaria mais de dez horas de caminhada de ida e volta. Logo na saída do centro não fiz o desvio que deveria e precisei remendar o percurso com mais quinze minutos. No trecho inicial a rodovia contorna aproximadamente o golfo seguindo paralela uns tres quilômetros para dentro. Mais para a ponta ela começa a acompanhar a base das montanhss intransponiveis que atravessam a ilha de um lado a outro, num ambiente bMontanhas intransponíveis - Zakynthosastante rural e cheio de cachorros. A intenção era chegar em Keri (leia querí) e talvez conhecer mais uma ou duas praias. À medida que me aproximava percebi que existe a vila e o lago de Keri, não muito perto um do outro. Fiz o desvio para o lago onde só vi mato. Talvez na época de seca ele desapareça completamente. Uma faixa de areia sem graça, como muitas que tenho visto, separa as águas do lago e do mar. Segui até o final do povoado e encontrei a estrada que vai para a praia seguinte. Era uma ladeira bastante ingrime e ainda precisava andar mais de um quilômetro no plano antes de descer novamente. Fiquei na dúvida se valia a pena mas, como das ouIlha das tartarugas no Golfo de Laganas - Zakynthostras vezes, decidi que havia chegado até ali justamente para ver a praia e desistir nos últimos metros parecia irracional. A rota descendente também era muito inclinada e a praia de Marathia (leia maratiá) ficou conhecida a partir daquele momento como a mais bonita de Zakynthos. Forrada de pedras e com alguns rochedos entrando pelo mar ela seria a escolha natural para passar as horas ociosas se não fosse tão complicado de chegar nela. Além disso tinha muita gente para pouco espaço. Não andei pelas pedras até o final porque estava tentando economizar chinelo. Desde alguns quilômetros atrás o pé já estava raspando no chão e antes de o furo da borrachaPraia de Keri - Zakynthos iniciar a rasgar a pele, troquei pela reserva que vinha carregando na sacola havia algum tempo, justamente para uma emergência como essa. Retomei o roteiro morro acima pensando em continuar o trajeto ate a vila de Keri e o farol que existe sobre o penhasco. Contudo, para atingir esse objetivo teria ainda que caminhar mais de uma hora e subir um desnível de cem metros. Era muita coisa para quem ainda tinha quinze quilômetros de estrada para voltar para casa. Dispensando a etapa final do passeio consegui manter o prazo de dez horas andando. Achei que não fosse precisar me preocupar com o calçado por alguns dias mas ao chegar no centro reparei que os Praia de Marathias - Zakynthosfuros que prendem as novas tiras já começavam a esgarçar. Em menos de quatro horas de uso! Atravessei a rua comercial procurando uma loja com o artigo, coisa difícil já que estava um deserto. Acho que só interrompem a sesta no começo da noite. Mais para o final da via encontrei alguns comerciantes trabalhando e resolvi comprar um par das originais, por preço de importado. As Havaianas também quebram mas, além de serem uma garantia na sacola, torcia para que durassem um pouco mais do que poucos semanas, que era o que as cópias estavam suportando. Quem sabe quanto tempo os furos atuais vão aguentar? Talvez nem precise inaugurar a última aquisição.