13/ago/17Calendário 15/ago/17


Scerne di Pineto - 14/ago/17 (9 fotos)Mais fotos:ÁlbumSlide show

Vista espetacular das montanhas - Scerne di PinetoMais uma vez tive que usar a bilheteria humana para poder pagar a passagem de ida e volta a Scerne di Pineto com cartão. A falta de curiosidade para descobrir novas atrações e o conforto da praia próxima já haviam determinado meu destino desde ontem. Apenas o clima poderia alterar os planos, mas o sol continuava contribuindo, apesar de encoberto temporareamente por pequena nuvem na saída do hotel, o que deixava o ar ainda bastante frio. O serviço de hoje saía meia hora mais cedo mas me assustei com a quantidade de gente presente no local de embarque. O movimento, contudo, era para o trem anterior que ia para Milão e usava o mesmo acesso. Além dos atrasos frequentes era preciso tomar cuidado com as alterações de plataforma que, mesmo sendo anunciadas com antecedência e insistência, causavam muita confusão. Tive que prestar grande atenção aos avisos sonoros por causa do barulho até perceber que era o meu que estava mudando para o trilho vizinho. Ao chegar à praia às 9:15 h pude apreciar a vista espetacular das montanhas sem cobertura de nuCiclovia Adriática - Scerne di Pinetovens. Se pudesse contemplar essa paisagem antes de pegar o trem para a praia possivelmente teria mudado de destino e feito o passeio à l'Aquila que me deixou tão frustrado alguns dias atrás. Claro que se estivesse realmente interessado poderia voltar e pegar o ônibus. Porém a preguiça era um fator incontornável e passei o dia admirando as majestosas serras de longe enquanto me esticava ao sol com o refresco ocasional de uma leve brisa. No meio da tarde quase tomei coragem para percorrer parte da volta a pé. A distância total era muito grande, com mais de 25 quilômetros, mas do trem podia reparar num trecho agradável que passava por dentro de um estreito bosque de pinheiros. A visão, contudo, não foi poderosa o bastante para transformar a intenção em ação e retornei de trem no mesmo horário de ontem. Os balneários dessa região eram ligados por ciclovias num sistema que fazia bom uso do fato de não haver elevações ao longo do litoral e integrava a ligação ciclista entre os extremos sul e norte da Itália, com extensão de mais de 1.700 km.